Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe, diz Ministério da Saúde

Até o momento, 14,4 milhões de doses de vacina contra gripe foram aplicadas para o grupo prioritário de aproximadamente 75,8 milhões de pessoas. O número representa 22% do público-alvo, considerado baixo, visto que a campanha de vacinação teve início no dia 25 de março. Os dados são do Ministério da Saúde.

Click aqui para seguir o Canal Folha do Vale no Whatsapp

A composição do imunizante disponível é proteger contra a Influenza A (H1N1), Influenza A (H3N2) e Influenza B.

Os estados que apresentam as menores porcentagens da população-alvo vacinada são: Distrito Federal (13,78%), Mato Grosso do Sul (14,18%), Mato Grosso (14,36%), Bahia (14,92%) e Rio de Janeiro (17,76%).

A partir de agora, a expectativa é imunizar 75 milhões de pessoas por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), como idosos, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, professores da rede pública de ensino, entre outros públicos prioritários“, afirmou a ministra da Saúde, Nísia Trindade.

Vale destacar que a campanha acontecerá no primeiro semestre do ano nas regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste. Já no Norte do país, a vacinação deve ocorrer no segundo semestre de 2024.

De acordo com o Ministério da Saúde, a mudança no formato tem como intuito atender as particularidades climáticas da região, tendo em vista que o início do Inverno Amazônico, período em que há mais chances de circulação viral e transmissão da gripe.

Confira o grupo prioritário, de acordo com o Ministério da Saúde:
  • Crianças de seis meses até 5 anos, 11 meses e 29 dias de idade;
  • Crianças indígenas de 6 meses a menores de 9 ano de idade;
  • Profissionais de saúde;
  • Gestantes;
  • Puérperas;
  • Professores do ensino básico e superior;
  • Povos indígenas;
  • Idosos com 60 anos ou mais;
  • Pessoas em situação de rua;
  • Profissionais das Forças de Segurança e Salvamento;
  • Profissionais das Forças Armadas;
  • Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independentemente da idade;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Caminhoneiros;
  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário;
  • Trabalhadores portuários;
  • População privada de liberdade;
  • Funcionários do sistema de privação de liberdade;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas.

Siga-nos no INSTRAGRAM e fique por dentro das últimas noticias

 

Fonte: Miséria

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *