Governo federal anula leilão para importação de arroz devido a suspeitas de irregularidades

O presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto, anunciou nesta terça-feira, 11 de junho, a anulação do leilão para a compra de arroz importado. Durante pronunciamento no Palácio do Planalto, Pretto afirmou que a decisão visa assegurar a contratação de uma empresa que possua a capacidade técnica e financeira necessária para atender às demandas do processo.

  >>>CLICK AQUI PARA SEGUIR O CANAL FOLHA D VALE NO WHATSAPP<<<

Pretendemos fazer um novo leilão, quem sabe em outros modelos, para que a gente possa ter garantia que vamos contratar uma empresa com capacidade técnica e financeira […]. A decisão é anular este leilão e proceder um novo mais ajustado“, declarou Pretto.

A decisão de importar arroz veio poucos dias após o início das enchentes no Rio Grande do Sul, estado responsável por 70% da produção nacional do grão. Apesar das inundações, 80% da colheita já havia sido realizada antes do desastre.

Em 7 de maio, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, destacou que a compra de arroz era essencial para evitar uma alta nos preços, devido às dificuldades que o estado enfrentava para transportar o grão para outras regiões do país. Fávaro ainda ressaltou que, naquele momento, nenhum atacadista possuía estoques suficientes para mais de 15 dias.

Com a anulação do leilão, a Conab pretende reavaliar e ajustar o processo para garantir a contratação de uma empresa adequada, que possa suprir a necessidade emergencial de arroz no mercado interno. A nova data para o leilão ainda não foi divulgada, mas a expectativa é que ocorra em breve, com modelos aprimorados que assegurem maior eficiência e segurança na contratação.

Em meio à anulação do leilão para a compra de arroz importado pelo governo federal, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, anunciou a saída do Secretário de Política Agrícola, Neri Geller.

A polêmica surgiu quando veio à tona que o filho de Geller, Marcelo Piccini Geller, havia constituído uma sociedade com Robson Luiz de Almeida França, um ex-assessor de Geller e um dos negociadores do leilão que gerou suspeitas de favorecimento. Segundo Fávaro, a empresa em questão era uma corretora de Mato Grosso, envolvida nas negociações do leilão, o que levantou questionamentos sobre a imparcialidade do processo.

Como consequência dessa suspeita, Fávaro comunicou também que o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, decidiu pedir demissão do cargo. O pedido foi aceito pelo ministro. “O secretário Neri Geller colocou cargo à disposição e aceitei a demissão”, disse o ministro da Agricultura.

O fio que liga Geller ao leilão é Robson França, presidente da Bolsa de Mercadorias de Mato Grosso (BMT) e dono de corretoras que intermediaram a comercialização de 44% do volume de arroz negociado (116 mil toneladas) e do valor envolvido no leilão da Conab, cerca de R$ 580 milhões.

 

SIGA-NOS NO INSTRAGRAM E FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTICIAS

 

 

Fonte: Globorural / Brasil247

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *